quarta-feira, 21 de outubro de 2009

E o Oscar Vai Para...

Uma crônica extraordinária sobre o dia de uma mãe e seu bebê Pugs.


Esse extraordinário curta metragem, uma produção americana, pode ser considerado o melhor filme do ano. O título é "Pug Empurra Carrinho de Bebê" ("Pug Pushes Stroller") e é uma crônica diária da vida de uma devotada mãe Pug que leva seu bebê no carrinho pelas ruas da cidade.

Todos aqui da família vimos o filme e devo confessar que nunca nos emocionamos tanto... nem com "Marley e Eu". Enquanto ela empurra o carrinho com seu filhote pelas ruas, uma onda de emoções toma conta de todos. Choramos, rimos e sentimos todo amor e dedicação daquela Puguinha com seu bebezinho. Eu, sendo uma Pug, me identifiquei completamente, pois tenho noção exata do sacrifício dessa mãe para conseguir completar tão árdua tarefa.

O filme serviu ainda como uma profunda reflexão: como a uma mãe tão dedicada, talvez até mais do que algumas mães humanas, pode ser negado o direito de votar?
_____________________________

Título: "Pug Empurra Carrinho de Bebê" ("Pug Pushes Stroller")
Diretor: Desconhecido
Faixa etária: 16 (cenas emocionantes)
Tempo: 2 minutos e 36 segundos
Crítica da Alice:

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Alice Responde 3

Aqui vai outra dúvida que Alice responde agora. Obrigada por participar, e qualquer dúvida que tenha, pergunte à Alice!

Oi Alice...estou com um PROBLEMÃO. Não consigo acabar com os carrapatos do meu cachorrinho...Ja passei FrontLine Spray, Pulgof, mas sempre tem carrapato no meu cachorrinho... o que fazer?... vc pode me ajudar??.....MUITTOOO OBRIGADAAAA
Taís

Alice: Olá Taís. Aqui em casa tanto eu, como Clara e Carol usamos uma pipeta de FrontLine todo mês e nunca tivemos carrapatos ou pulgas. Os Administradores prestam muita atenção nisso porque convivemos com 2 crianças da família e carrapatos e pulgas transmitem doenças. Principalmente o carrapato que transmite a "febre maculosa". Então para o bem da família toda, e podermos brincar juntos, temos que estar livres de parasitas, tanto externos quanto internos. Para quem tem criança, isso é muito importante.

Mas existe um detalhe que as pessoas sempre esquecem ou não prestam atenção na bula. Normalmente os donos de cães costumam aplicar o FrontLine a cada 3 meses. Isso funciona só para pulgas ou quando a família mora em cidade grande e o cão vive trancado num apartamento e sai só de vez em quando. Não sei onde você mora, mas se for numa cidade do interior, ainda mais se essa cidade tiver cavalos e gado, aí o FrontLine TEM que ser aplicado todo mês.

Outros casos em que deve ser aplicado mensalmente é quando a família viaja os finais de semana para praia ou lugares que têm grama. A grama é o habitat natural do carrapato. Então se o seu cão tiver muito contato com a grama em parques, a aplicação do FrontLine tem que ser mensal.

O FrontLine só funciona efetivamente contra carrapatos durante um mês. Depois os cães voltam a ficar vulneráveis. No caso do seu cãozinho, como o ambiente já foi contaminado, seria necessário que você fizesse uma limpeza nos lugares onde seu cão costuma ficar ou circular. Peça ao vet uma orientação quanto ao remédio que vai usar. Ele com certeza vai lhe aconselhar um menos tóxino para o seu amigo.

Depois que você tiver certeza que o ambiente está limpo, tente o FrontLine SPRAY pois a pipeta só é recomendada para prevenir e não adianta mais se o cão já estiver contaminado.Outro remédio que é bom e muito recomendado é o Revolution da Pfizer. Nós nunca usamos aqui em casa, mas dizem também que é muito bom. Entre na página da Pfizer e leia sobre a ação do medicamento.


Esse vídeo ensina como aplicar o FrontLine Spray. É bom usar o spray quando o cão já está infestado.


Aqui ensina o uso da FrontLine Combo (pipeta) que tem como objetivo a prevenção.

Quanto somente às pulgas, não se preocupe que usando a pipeta a cada 3 meses, o cão estará protegido.

Infelizmente, os remédios que são realmente eficazes contra pulgas e carrapatos são caros. Por isso, muitos donos de meus amiguinhos usam outros produtos como coleiras, pós, dentre muitos outros, mas o resultado costuma ser ruim. A pipeta do FrontLine custa por volta dos R$ 35,00 (2 - eu e Carol) e a pipeta da Clara R$50,00 (quanto maior o cão, maior a dose do remédio). Realmente fica caro. Mas e a saúde de sua família? NÃO tem preço. Não vale a pena arriscar.
Espero ter ajudado e boa sorte!

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Os Cães Querem Votar!

Seu cão também vai querer participar.

Nosso blog acaba de de se inscrever e apoiar oficialmente o movimento liderado por Sua Divina Graça Ayatollah Mugsy que reinvindica o direito dos cães de participar de eleições, de VOTAR.

O movimento está aberto para todos os cães sejam eles de qualquer raça ou origem, com pedigree ou não, pequenos, grandes, SRDs, vira-latas, adestrados, de companhia para humanos, enfim, QUALQUER cão.

Pronunciamento de Sua Divina Graça:

Voting Rights for Canines
"We demand suffrage for all dogs, be they pedigreed or mixed breed, ball-fetchers or leg-humpers.

For too long, canines have suffered from taxation without representation. We are often forced to register, paying fees to our local municipalities. We pay sales taxes on our rawhide and our dog biscuits and our little sweaters. And for what?!? This oppression must end! We demand to have a say in our nation's and our puppies' future!

Plus, could we really do any worse than the humans?"

Sua
Divina Graça The Ayatollah Mugsy

Mais algumas bases do Movimento:

1) NÃO destruimos, danificamos, contaminamos o nosso planeta nem o meio ambiente;

2) NÃO fazemos guerras nem cobiçamos o território alheio, só queremos um cantinho;

3) NÃO curtimos nenhum barato, somos radicalmente contra drogas, pois NÃO PRECISAMOS DELAS para viver e ser feliz;

4) NÃO discriminamos outros de nossa própria espécie;

5) NÃO invejamos nem a grama nem o carro do nosso vizinho. Nosso lar é o melhor do mundo, seja ele qual for;

6) NÃO abandonamos nossos amigos em hipótese alguma, humanos ou não humanos;

7) NÃO oprimimos, humilhamos ou prejudicamos ninguém, humanos ou não humanos;

8) NÃO queremos PODER, a não ser sobre a nossa bolinha ou nosso osso;

9) NÃO queremos nem precisamos do dinheiro e ou riquezas para ser feliz pois sabemos aproveitar a simplicidade da vida;

10) NÃO haverá mais taxações nem impostos sobre nossas bolinhas e brinquedos em geral, nossos ossos, biscoitos, remédios, e utilidades.

E o mais importante: é impossível fazer mais lambança que os humanos. É hora de mudar e a hora é agora!

>> The Ayatollah's Teachings (líder do movimento)
>> Voting Rights for Canines (participe você também!)
>> Loja do Movimento (onde poderá comprar camisetas, canecas, posters, etc. e espalhar o movimento)

domingo, 4 de outubro de 2009

A Importância do Cão-Guia

Saiba como se comportar bem ao encontrar um deficiente visual e o seu cão-guia.

Aqui no Brasil você já poderá conseguir um cão guia se precisar, através do Instituto de Responsabilidade e Inclusão Social (IRIS), uma ONG que treina cães-guia.

Desde 2002, o Instituto de Responsabilidade e Inclusão Social (IRIS), trabalha para que os deficientes visuais tenham seu cão-guia, o companheiro perfeito. Há cerca de 60 cães-guia em atividade atualmente no Brasil, dos quais 20 foram importados pelo IRIS, sem nenhum custo para os usuários. E isso graças a uma parceria com a ONG americana "Leader Dogs for the Blind".

O IRIS planeja montar um centro de treinamento de guias no Brasil. Para isso, precisa de patrocínio e de voluntários que topem cuidar dos filhotes durante um ano e lhes ensinar boas maneiras. Só depois dessa fase, chamada de socialização, o cão vai à escola aprender as tarefas específicas de guia. A demanda é grande. Na fila de espera do IRIS, há 2 mil deficientes aguardando um cão.

A parceria de um deficiente visual com seu guia é tão poderosa que multiplica a autoestima e em inúmeros casos, muda o destino do deficiente, dando-lhe mais confiança de encarar a vida e suas dificuldades, força para correr atrás de seus sonhos e lutar por sua liberdade. Muitos passam até a morar sozinhos, deixando para trás um passado de dependências e inseguranças.

Em virtude do seu rigoroso treinamento, os cães-guia estão habituados e capacitados a entrar e permanecer junto a seus donos em todos os tipos de estabelecimentos, tanto de saúde, como lojas, restaurantes, supermercados, cafeterias, cinemas, teatros, centros de estudo ou trabalho, etc. sem causar alterações no funciomento normal dos mesmos, nem incomodar os funcionários ou o público. Existem leis estaduais e federais que garantem esse acesso, sendo PUNIDOS aqueles que tentarem impedir ou dificultar a presença do cego com seu cão-guia. Pela lei, cães-guia têm o mesmo direito que seus donos de gozar de livre acesso a TODOS os locais públicos.

Mas saiba que a vida do cão-guia não é somente trabalho. Quando não está com a coleira especial, ele é tratado como um animal de estimação comum, tendo direito a todos os mimos e brincadeiras de qualquer pet.

Aqui estão algumas dicas de boas maneiras (deixe que eles mesmos vão lhe ensinar):

1) Sei que é tentador acariciar ou brincar com um cão-guia. Mas saiba que sou responsável por conduzir alguém que não pode ver, portanto NUNCA devo ser distraído, a segurança do meu dono depende da minha concentração. Quanto mais você me ignorar, melhor será para o meu dono e para mim;

2) Meu comportamento e trato são totalmente diferentes dos outros cães e devo ser respeitado em minha dupla função de guia e fiel companheiro do meu dono;

3) Por favor, não me toque nem me acaricie quando estiver trabalhando, ou seja, estiver usando a GUIA ESPECIAL. Se fizer isso, posso me distrair e eu jamais devo falhar;

4) Por favor, não buzine e nem me chame de seu carro para sinalizar quando é seguro atravessar, sei que sua intenção é ajudar, mas estará me confundindo e pondo a segurança de meu dono em risco. Ele depende de mim;

5) Por favor, não me ofereça alimentos. Meu dono já se encarrega disso com carinho. Estou bem alimentado, tenho horário certo para comer, além disso sou treinado para resistir a ofertas de alimentos;

6) Quando se dirigir a uma pessoa cega, acompanhada de um cão-guia como eu, fale diretamente com ela, e não comigo;

7) Se um cego com cão-guia lhe pedir ajuda, aproxime-se pelo lado direito, de maneira que eu fique à esquerda;

8) Meu dono então me ordenará que siga você, ou lhe pedirá que ofereça seu cotovelo esquerdo. Neste caso, usará uma senha para me indicar que estou temporariamente fora de serviço;

9) Se um cego com cão-guia lhe pedir indiçações de itinerário, explique claramente como deve dobrar ou seguir para chegar a um determinado local, por favor, tenha paciência com meu dono;

10) Não se antecipe e nem pegue o braço de um cego acompanhado de um cão-guia sem antes conversar. Muito menos TOQUE NA MINHA GUIA ESPECIAL, pois ela é só para uso exclusivo do cego que acompanho, meu dono e meu amigo;

11) Os cães-guia têm lugares e horários pré-determinados para fazer suas necessidades;

12) Eu, como cão-guia, estou habituado a viajar em todos os meios de transporte, acomodado aos pés do meu dono, sem atrapalhar os passageiros, tanto dentro ou fora do país;

13) Por favor, me ajude a divulgar o que lhe disse e a tornar as pessoas mais conscientes de minha grande responsabilidade.


A Administradora

Foto 1: raças de cães preferencialmente usadas como cães-guia: Labrador Retriever (preto, amarelo, chocolate, fígado), Golden Retriever (dourado em diversos matizes) e Pastor Alemão. Essas raçãs têm demonstrado maior inteligência, tranquilidade, docilidade, facilidade para aprender e vontade de agradar ao dono.

Foto 2: a GUIA ESPECIAL para cães-guia com um Golden Retriever.

Foto 3: Labrador Retriever amarelo.

>>
IRIS

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Paparazzi 1

PLEASE, DO NOT DISTURB!
POR FAVOR, NÃO PERTURBE!

Gosto de sombra e água fresca, literalmente! Estou debaixo da árvore, numa brisa fresca, ouvindo o canto dos passarinhos, enquanto sinto o cheirinho das florzinhas perfumadas... ninguém por perto.... será????
Alice

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Você sabe carregar seu cão de grande porte?

Saiba a forma correta de carregar/levantar no colo seu grande amigo grande.

Donos de cães de grande porte esbarram sempre num problema que é a necessidade de carregar/levantar/mover seu amigo numa determinada situação, por exemplo, a mais comum, numa visita ao vet (naquela mesa de alumínio velha conhecida nossa!). Sendo grandes e pesados, esses cães requerem uma forma cuidadosa e especial de manejo.

Outra situação comum é o banho. Já percebi que não posso deixar a Clara ir ao banho na petshop sozinha. Invariavelmente, sempre levantavam minha Labrador segurando pela barriga (aiiiiiii! que vontade de soltar um punzão!!). E lá ia ela "pendurada" pela barriga tomar seu banho. Tenho sempre que estar presente para orientar os rapazes que felizmente já fazem tudo certinho.

Se você tiver um cão de grande porte e precisar levá-lo ao banho, por exemplo, fique atento a esse detalhe. Levantar um cão grande e pesado pela barriga é, além de extremamente desconfortável para o animal (imagine se você fosse suspenso por uma corda tendo todo o peso do seu corpo apoiado na sua barriga...), é muito perigoso, pois pode causar lesões sérias nos órgãos internos como a ruptura de alças intestinais (o mais comum).

Se sua cadela de grande porte estiver grávida, REDOBRE a sua atenção. Apoiá-la pela barriga, poderá causar danos perigosos e irreparáveis.

Tenha sempre muito cuidado ao manejar qualquer cão, de qualquer tamanho. Pugs, por exemplo, considerados de pequeno porte também NÃO devem ser apoiados pela barriga. E isso acontece com cães de raças e tamanhos variados, qualquer cão. Use sempre seu bom senso.

E lembre-se que quanto mais pesado for o cão, maior poderá ser o dano causado.
A Administradora

1

2

Ilustração 1: levantar o cão usando o abdomem como apoio. ERRADO!
Ilustração 2: levantar o cão usando o esqueleto como apoio. CERTO!

domingo, 20 de setembro de 2009

Pastor Mantiqueira

Conheça o Pastor Mantiqueira, uma raça de cão brasileira.


A serra da Mantiqueira é uma formação montanhosa que abrange os estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro. É nessa região brasileira que predominam pequenas e médias propriedades que têm como tradição uma economia com base na pecuária leiteira.

Nessas propriedades são utilizados como ferramentas de trabalho os cavalos do sul de Minas (Mangalarga Marchador, Campolina, etc.) e os cães que ajudam com o gado diariamente. Esses cães, ágeis, leves e corajosos, além de imporem respeito ao gado, chegam até a lugares em que os peões com seus cavalos não conseguem, devido ao relevo acidentado da serra. Esses cães tornaram-se durante séculos ferramentas indispensáveis no manejo do gado, formando um trio inseparável: peão, cavalo e cão. Esse é o chamado Pastor Mantiqueira.


Acredita-se que o Pastor Mantiqueira tenha em sua formação o sangue dos cães que chamávamos de "policial", e também outros cães pastores Alemães, Belgas, Malinois, Holandeses, etc. Na região da Mantiqueira, sofreram uma seleção baseada na necessidade dos peões que precisavam de um bom cão e por isso sempre procuraram dentro de seu conhecimento, acasalar os melhores animais e se orgulhavam deles, uma história muito semelhante a dos cães da região Britânica de “Borderland”, que fica na divisa entre Pais de Gales, Escócia e Inglaterra, da onde se origina os grandes cães pastores Border Collie.

As principais características do Pastor Mantiqueira são:
. pelagem sólida (sem manchas) e bem pigmentada, com comprimento de pelos variáveis indo do longo ao curto;
. tamanho médio;
. orelhas eretas;
. focinho fino;
. três tipos básicos de cores: o preto, o branco ou creme e o “azulejo” ( base amarela com pelos pretos).

Padrão de comportamento: rústicos, ativos e rápidos, bons instintos que os ligam fortemente ao rebanho, fiéis, corajosos e grandes amigos. Sua grande capacidade de trabalho fazem com que sejam uma ferramenta muito eficiente e praticamente indispensável para o vaqueiro da serra da Mantiqueira.

Devemos ficar atentos porém, ao fato de que está ocorrendo uma rápida mudança de atividade econômica na região. O gado está perdendo espaço para a agricultura e a indústria do turismo e todas essas alterações estão diminuindo drasticamente o número deste cão que é sem a menor sombra de duvida, um autentico patrimônio genético brasileiro.

Devido a essas mesmas mudanças, o Pastor Mantiqueira poderá estar fortemente ameaçado de extinção, por isso precisamos preservá-lo.
O Administrador

sábado, 22 de agosto de 2009

Coisas de Bicho 2

Os animais sonham? Sim ou Não?



Sim. Em vários mamíferos estudados, como ratos, gatos, cães, macacos e elefantes, especialistas verificaram a presença do REM, estágio do sono em que rolam os sonhos. Nesse estágio é possível observar ainda espasmos musculares como se estivessem se movimentando ou interagindo em alguma situação. Nos cães principalmente, é possível observar que quando adormecem, às vezes movem as pernas, o corpo estremece, fazem ruídos e alguns até latem abafado.

Nas aves também já foi comprovado pela ciência, mas ainda não há registro de que isso ocorra com os répteis, talvez por serem animais de sangue frio, não foi pesquisado o suficiente para se dizer que sim ou não.

Mas afinal, o que sonham os bichos? "É impossível formular hipóteses, mas acredita-se que esteja relacionado à memória de eventos vividos pelo animal", dizem os pesquisadores. As pesquisas e descobertas mais recentes nessa área são feitas por cientistas do Centro de Memória e Aprendizado do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, o MIT, nos Estados Unidos.


E só como curiosidade... ao monitorar a atividade cerebral de ratos acordados e dormindo, os pesquisadores viram que os roedores têm um padrão de sono semelhante ao nosso, com sonhos longos, complexos e até possíveis pesadelos! Será que somos realmente assim tão diferentes, com habilidades e complexidades superiores a dos animais? Não seria afinal muito egocentrismo e hipocrisia de nossa parte? Um típico defeito humano!
A Administradora

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Ganhei uma nova amiga!

Mais uma amiguinha chega na família de Alice.

Clara chegou! Ela tem 10 anos e acreditem, é policial federal aposentada. Ela fareja tudo, é muito comportada, da raça Labrador, uma "lady". O policial companheiro de Clara ficou com ela quando se aposentou, mas estava sendo muito difícil para ele e para ela, pois viviam num apartamento muito pequeno no Rio de Janeiro. E, além disso, ele viajava muito e Clara ficava em hotel onde eles não seguiam corretamente o tratamento que fazia devido à uma lesão que ela sofreu nos quadris numa de suas "missões".

Então, como ele é amigo da família e confia que Clara ficaria bem vivendo aqui na serra em nossa companhia, preferiu deixá-la aqui para o seu próprio bem estar. Ele está sofrendo muito, mas também super satisfeito porque ela agora tem um vidão. Se adaptou bem à nossa rotina e à disciplina dos Administradores, passeia até sem guia pelos matos, coisa que no Rio era impossível. E cães que têm esse tipo de lesão como também problemas de coxo femural, o ideal é passear sem guia, pois além de não haver esforço, o cão segue suas próprias limitações.

Eu e carol ficamos muito curiosas, até andei meio ciumenta, latindo mais do que devia, confesso! (era para deixar claro quem era a dona do pedaço), mas agora já acostumamos. Ela também passará a escrever no blog contando suas aventuras de "retriever farejador", e suas experiências caninas, afinal ela já é uma "senhorinha". Espero que gostem de nossa nova amiguinha.
Alice e Carol


Foto 1: Clara relaxando depois do almoço.
Foto 2: Nós três, mas eu estou de olho!!...
Foto 3: Cheguei perto para dar uma olhada...
Foto 4: Não resisti e dei uma cheirada e uma lambidinha...

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Morte Misteriosa de Cão na UFSC

A morte de um cachorro causou uma grande comoção no campus da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis.

Mascote querido de alunos e servidores, Catatau era famoso por acompanhar todos os eventos envolvendo os estudantes, mas foi encontrado morto, por suspeita de envenenamento, em um dos córregos que passam na área da universidade, na sexta-feira (24).

Catatau foi abandonado no campus em 1997, ainda filhote. Alimentado por alunos e funcionários, que contam com a ajuda de uma Ong que tenta impedir o abandono de animais no local, era considerado o cão mais popular da universidade e ganhou o apelido de “UFSCão”.

Catatau sempre participou de todos os atos dos alunos, de protestos a festas. Ele estava nas formaturas, nos trotes, sempre junto com os estudantes. Na saída dos alunos, ele chegava até a acompanhar os estudantes nos arredores, mas depois voltava. Com esse jeito tão carinhoso, ele conquistou todo mundo.

Uma das últimas proezas protagonizadas por Catatau ocorreu durante a invasão do gabinete da reitoria por alunos. O cão ocupou a cadeira do reitor durante o ato e tinha apoio dos alunos para permanecer no cargo.

Catatau até acompanhou um protesto de alunos contra o aumento do passe de ônibus em Florianópolis. “Éramos uns 40 alunos e saímos em passeata do campus até o centro. Caminhamos por uns 40 minutos embaixo de chuva, e o Catatau foi junto. Ele fez parte da manifestação e depois conseguiu voltar para o campus de carona com alguns alunos que estavam de carro. Tem aluno que já levou o Catatau até para a praia”, contam os alunos.

Apesar da suspeita de assassinato, a morte de Catatau infelizmente não poderá ser investigada pois não há câmeras no local onde ele foi encontrado e descobrir quem o jogou no córrego.

Catatau foi enterrado ainda na sexta-feira perto do monumento Pira da Resistência, que foi erguido pelos próprios servidores. Para os alunos, o local vai se tornar um ponto de peregrinação. “Alguém já deixou um vaso com flores brancas para ele. Era um cachorro muito especial”, disseram.
O Administrador

quarta-feira, 29 de julho de 2009

O Transporte de Cães é Coisa Séria

Como transportar um animal com segurança dentro do carro?

Esta dúvida constante de donos de cães e gatos leva as montadoras a bolarem os mais variados acessórios para os "melhores amigos". De acordo com o Código do Trânsito Brasileiro, os animais não podem ser transportados na caçamba do carro.

De acordo com o artigo 235, é proibido conduzir pessoas, animais ou carga nas partes externas do veículo, salvo nos casos devidamente autorizados. A infração é grave com multa e retenção do veículo. Já o artigo 252 proíbe o motorista de dirigir com um animal no colo.

Os fabricantes de carros agora já se voltam para esse mercado em expansão do transporte de animais de estimação. Novidades veem da Volvo, uma marca famosa por prezar a segurança em primeiro lugar, da Honda e da BMW.

A Volvo está lançando uma grade de proteção que pode ser acoplada no porta-malas. Sobra espaço para colocar bagagens, diminuindo o espaço onde o cão deve ficar e, consequentemente, reduzindo as chances dele se machucar em caso de um acidente. Outros produtos também estão disponíveis como almofadas e tapetes para evitar que o cão arranhe a lataria interna do carro.

A Honda lançou o carro conceito Element que foi desenvolvido especialmente para oferecer boa vida e segurança para os animais de estimação. Entre outros equipamentos específicos para os pets desenvolvidos pela Honda estão uma rampa de acesso pelo porta-malas, que facilita a entrada dos animais de grande porte e poupa os donos de dores nas costas, além de um ventilador de 12 volts instalado na parte traseira do veículo.

Para aqueles donos que têm mais de um cachorro, o modelo ainda traz outro compartimento de tela, que é preso no cinto de segurança do banco traseiro, para transportar animais de pequeno e médio portes. O tapete de borracha e as capas de banco impermeáveis, além de “ossos de couro”, brinquedos e estampa temática completam a lista de equipamentos desse carro "bom pra cachorro".

Já a BMW desenvolveu um cinto de segurança específico para animais que oferece o máximo de segurança.

Isso é um avanço no mercado quando se pensa em transporte dos nossos melhores amigos. Mas é mais importante ainda que os donos de animais se conscientizem e que passem a se preocupar realmente com a segurança de seus animais. Essas mudanças de oferta de carros direcionados para os animais é uma resposta da força e da conscientização dos donos que agora, mais esclarecidos, se tornaram mais exigentes.

terça-feira, 28 de julho de 2009

Coisas de Bicho 1

Os "cemitérios de elefantes" existem? Sim ou Não?

Não. Essa história de que os elefantes teriam uma espécie de santuário, um local sossegado para o qual se dirigiriam antes de morrer, não passa de lenda. Há várias teorias para a origem do mito. A mais aceita foi elaborada por especialistas do zoológico de San Diego (EUA). De acordo com esses estudiosos, quando os trombudos envelhecem, seus dentes ficam muito sensíveis e, assim, eles têm dificuldade de comer sua alimentação habitual, formada por arbustos, folhas e cascas de árvores.

Por isso, é comum os animais mais velhos se deslocarem para regiões pantanosas, onde há abundância de água e as folhagens são mais macias. Invariavelmente, eles acabam ficando por lá até a morte. A concentração de ossadas nesses locais é que teria originado o mito. Os animais idosos também se desgarram do grupo porque se tornam mais lentos e vão ficando para trás.

A lenda do santuário de trombudos acabou ganhando peso em razão da atitude reverente desses animais frente a um colega morto. Diante de um paquiderme sem vida, todos os membros de uma manada param junto do defunto e parecem inspecioná-lo com a tromba, como se prestassem uma última homenagem. Além disso, o parente do falecido segue o grupo de longe por alguns dias, numa espécie de manifestação pública de luto.

Outras curiosidades interessantes do maior animal terrestre do mundo:

. O elefante é conhecido por sua excelente memória. Seu cérebro pesa 5,4 quilos. Acredita-se que isso se deva, em parte, à sua longevidade, de até 70 anos. Vivendo tanto, ele acaba tendo mais tempo para memorizar tudo ao seu redor;.

. As orelhas dos elefantes são sua impressão digital. As abas enormes têm não apenas formas únicas mas cavidades e riscas inconfundíveis. Não existem dois elefantes com orelhas iguais;

. Sua tromba comprida corresponde ao nariz e lábio superior. Ela pesa cerca de 140 quilos. Entre outras coisas, a tromba permite que ele fareje água a uma distância de quase 20 quilômetros;

. O pênis do elefante pode atingir 1,5 metro de comprimento e pesar 2 quilos. Cada ejaculação é suficiente para encher uma bola de futebol. Acreditem!

domingo, 26 de julho de 2009

Alice Responde 2

Aqui vai mais uma dúvida que Alice responde agora. Obrigada por participar, e qualquer dúvida que tenha, pergunte à Alice!

Oi Alice, por favor se puder me responda: Tenho uma yorkshire de 2 anos chamada Lindinha e esta semana após o banho na pet shop, percebi que apareceu uma mancha feito nuvem em frente a pupila do olho esquerdo. Tenho colocado água boricada, mas não está melhorando, o olho está cada vez mais opaco, sem brilho. O que é isso? Catarata? É grave? Muitos beijinhos para vc. Adorei seu blog e muito obrigada. Flávia

Alice: Flávia, essa mancha no olho da Lindinha não deve ter relação nenhuma com o banho e não deve ser catarata porque ela é ainda muito novinha. Falo por experiência própria porque nós, os pugs como temos os olhos muito grandes e expostos, é comum machucar a córnea. Eu já machuquei várias vezes e fica assim mesmo como você está dizendo. O olho fica com uma camada esbranquiçada parecendo opaco. Ela deve ter algum machucado na córnea. Leve a Lindinha ao vet rapidamente, melhor ainda se tiver na sua cidade um veterinário oftalmologista, pois existem colírios e pomadinhas que ajudam a cicatrização da córnea rapidamente. Eu já machuquei a minha 2 vezes e fiquei boazinha em uma semana. Ah, e não use água boricada nela, aliás não se usa mais essa tal de água boricada em cães e gatos. Existem colírios especiais para nós e os gatinhos, tá? Boa sorte e beijos na Lindinha.
Alice

sábado, 25 de julho de 2009

Cão Ajuda na Recuperação de Crianças Internadas

Labrador Doutor Chico , o "médico" amigo das crianças.

Todas as sextas-feiras, a cena se repete. "Doutor Chico" veste seu avental branco para percorrer a enfermaria e atender os "pacientes mirins" que estão internados no Hospital Municipal da Criança, em Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo.

A visita é feita de quarto em quarto e serve para auxiliar na recuperação das meninas e meninos que estão no local. O trabalho tem a colaboração do adestrador Robson Dertinatti, que é proprietário do "Doutor Chico" - um labrador preto de dois anos e sete meses.

"Está comprovado cientificamente que a zooterapia (terapia realizada com a presença de bichos) aumenta a autoestima e ajuda na recuperação da saúde das pessoas", diz Robson Dertinatti, que há cinco anos desenvolve ações voluntárias em asilos e orfanatos da cidade. Segundo o adestrador, o animal serve como uma espécie de canal de amor e de cura para os pacientes, especialmente no caso das crianças.

"Com a visita do 'Doutor Chico', procuramos reproduzir o ambiente do lar. Ao fazer isso, conseguimos acelerar o processo de cura e, consequentemente, diminuímos o período de permanência da criança no hospital", afirma a médica e diretora do Hospital Municipal da Criança, Heloísa Helena Sampaio.
A Administradora

>> Sis.Saúde